29 de jun de 2011

Alerta Veterinário...

Doenças Orais em Cães e Gatos

Outro caso que atendo constantemente na Clínica Veterinária de Pequenos de Animais.

Você sabia que o principal problema de saúde em cães e gatos é a doença periodontal?
Oitenta por cento dos cães acima de três anos de idade exibem sinais de doenças periodontais.

Seu cão tem mau hálito? Ele come vagarosamente? Apresenta dor ou sangramentos orais ao se alimentar? Tem perdas de dentes espontaneamente? Tem uma movimentação de língua excessiva como se estivesse retirando algo de dentro da boca? Tem uma crosta de odor fétido com coloração amarelada ou meio amarronzada perto das gengivas?

Qualquer um desses sintomas pode indicar a presença da doença oral, um problema grave e doloroso que exige cuidados veterinários. A causa primária é a placa bacteriana, que como o próprio nome diz, contém uma vasta quantidade de bactérias patológicas.

Essas bactérias facilitadas pela inflamação da gengiva podem facilmente cair na circulação sanguínea e causar doenças degenerativas no fígado, rins e coração. Como cães e gatos não possuem o hábito de escovar os dentes como os seres humanos, esta placa pode evoluir para a formação de tártaro supra e subgengival.

O resultado é inchaço, vermelhidão e inflamação das gengivas (gengivite), podendo evoluir para a doença periodontal, que gradativamente irá destruir as gengivas e o tecido de sustentação dos dentes. Já a cárie, tão comum entre os seres humanos, não costuma ser um problema em cães e gatos.

Outros problemas graves são tumores, infecções e a doença endodôntica (ocorre quando o cão ou gato quebram o dente).

O mau hálito é o único sintoma perceptível, já que muitos bichos não deixam de comer, mesmo com problemas odontológicos.

A boa notícia é que as doenças orais podem ser prevenidas e tratadas na maioria dos casos. O procedimento denominado tartarectomia, engloba: limpeza, raspagem e o tratamento da gengiva que deverá ser realizado por um profissional especializado.

Existe uma preparação pré-procedimento. O Médico Veterinário deve realizar a anamenese, definindo assim o grau da patologia. Será necessário fornecer um antibiótico específico durante os sete primeiros dias que antecedem o procedimento. Já no pós, deverá ser fornecido o mesmo antibiótico pelo período de sete dias consecutivos.

Existem hoje no mercado produtos para amenizar o surgimento destas placas bacterianas e que funcionam como uma “manutenção” da tartarectomia. O ideal é realizar a escovação dos dentes todos os dias, mas aconselha-se no mínimo três vezes por semana.

Petiscos anunciados como capazes de combater o tártaro realmente funcionam. Será necessário fazer com que seu bichinho de estimação coma todos os dias. Ossos naturais, mesmo cozidos, estão fora de cogitação, pois são duros demais e podem fraturar os dentes.

O uso de escova e pasta dental é indicado desde que seja específico para animais. As rações secas oferecem um benefício sobre a saúde oral, pois a quebra dos grãos pelos dentes causa uma ligeira raspagem na superfície dental. No entanto, há alimentos especialmente formulados para promover uma limpeza dental muito mais eficaz. Peça ajuda a um veterinário para indicar o melhor para seu animal.




Siga estas orientações e exercite a posse responsável.
Até logo.

Dr. Leonardo Tadeu Mattar Natividade
Médico Veterinário
CRMV/SP: 14.725

Consulte sempre um médico veterinário
Rua: Domingos de Morais nº. 1110 – Vila Mariana – São Paulo – Tel. 5572 - 9831



Foto: Arquivo Pessoal

Disqus for ABC dos Bichos